Voice reviewed by Rui Eduardo Paes (PT)

A fonte sonora exclusiva de todo este disco é a própria voz de Maja Ratkje, membro do grupo feminino anarquista norueguês Spunk. Captada nos mais variados locais (o mausuléu de Emmanuel Vugeland, um telhado, duas caves, um elevador, diversos estúdios e uma casa rolante) e pelos mais distintos meios (gravador de fita, disco rígido, dictafone, minidisk e samplers), são múltiplas as formas e expressões que toma, sempre no domínio da electroacústica. Nesta música a que cabe por inteiro o epíteto de “radical” há uma componente de poesia sonora, outra dos vocalismos típicos da improvisação (isto se considerarmos o que Phil Minton faz como um padrão), outra ainda do canto da música contemporânea, sendo ainda discerníveis outras referências neste tipo de tratamentos, como o punk e a “noise music”. A produção foi partilhada com o grupo electrónico Jazzkammer e de todos estes ingredientes resulta um obra de grande qualidade mas que não é de fácil audição – a última peça, por exemplo («Insomnia»), é a versão áudio das deformações figurativas de Francis Bacon e um monumento da estética do ruído. Nunca se tinha ido tão longe no culto do “belo horrível”…

Rui Eduardo Paes

This entry was posted in Voice. Bookmark the permalink.

Comments are closed.